[2361.] História da Capela de Santa Ana – 300 anos

DIA VENCIDO

A Santa Casa da Misericórdia da Mealhada pediu-me que redigisse um opúsculo com a memória histórica dos 300 anos da Capela de Santa Ana. A oportunidade de investigar alguma coisa sobre o edifício (e a sua história) que está tão intimamente ligado à memória que tenho da minha infância e do despertar da minha fé motivou-me a aceitar – apesar de todas as contrariedades que poderiam ser justificação suficiente para não o fazer.

«Mais do que a um edifício, o afeto dos mealhadenses à sua padroeira tem sido uma espécie de cimento de identidade, algo que une e prende e torna comum a nossa passagem por este lugar em cada tempo. Tem muito afeto este texto. E talvez isso lhe tire rigor científico. É escrito por quem foi batizado na Capela de Santa Ana, ali fez a primeira comunhão num dia de calor, ali foi à primeira missa pela mão da avó, ali se tornou escuteiro, ali foi padrinho e ali recebeu a graça da Fé. Alguém que sente aquele espaço como parte de si.»

DA INTRODUÇÃO

Gosto muito de História e amo profundamente a minha terra. A possibilidade de unir estes dois amores numa busca pela raiz do tempo do chão que piso é muito estimulante. Obrigado pela oportunidade.

 

A efeméride deu mote a um opúsculo, escrito por Nuno Canilho. Uma obra apresentada por João Pega, vice-provedor da Misericórdia da Mealhada, que explicou que o autor “sintetizou diversas passagens da história da Capela”. Os registos não são abundantes, mas Nuno Canilho acredita que “a Capela foi mesmo construída em 1716”, uma vez que há um relato de um peregrino de Santiago de Compostela, datado de 1594, que escreveu que ao passar por aqui apenas havia construído “um pequeno oratório de São Bastião”. “Também sabemos que a Capela sofreu com a catástrofe de 1755, e que  de imediato houve a preocupação de recuperá-la e ampliá- la”, continuou Nuno Canilho, que não esqueceu que foi ali, “no fervor dos anos oitenta”, que “nasceu” a rádio pirata ELBA (Emissora Livre da Bairrada). “Esta Capela tem uma ligação muito forte na comunidade. Mais do que um edifício, este é um espaço de afeto, que ‘observou’ a Mealhada durante trezentos anos. É um sitio que será sempre sobranceiro”, concluiu ainda. Depois de apresentada a obra, (na tarde de 24 de Julho de 2016, na própria Capela de Santa Ana) deu-se a “inauguração” do “Espaço de Memórias da Capela de Santa Ana”

EXCERTO DA REPORTAGEM DO JORNAL DA MEALHADA

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA capa livro 300 anos OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Santa Casa da Misericórdia da Mealhada pediu-me que redigisse um opúsculo com a memória histórica dos 300 anos da Capela de Santa Ana. A oportunidade de investigar alguma coisa sobre o edifício (e a sua história) que está tão intimamente ligado à memória que tenho da minha infância e do despertar da minha fé motivou-me a aceitar – apesar de todas as contrariedades que poderiam ser justificação suficiente para não o fazer.

«Mais do que a um edifício, o afeto dos mealhadenses à sua padroeira tem sido uma espécie de cimento de identidade, algo que une e prende e torna comum a nossa passagem por este lugar em cada tempo. Tem muito afeto este texto. E talvez isso lhe tire rigor científico. É escrito por quem foi batizado na Capela de Santa Ana, ali fez a primeira comunhão num dia de calor, ali foi à primeira missa pela mão da avó, ali se tornou escuteiro, ali foi padrinho e ali recebeu a graça da Fé. Alguém que sente aquele espaço como parte de si.»

DA INTRODUÇÃO

Gosto muito de História e amo profundamente a minha terra. A possibilidade de unir estes dois amores numa busca pela raiz do tempo do chão que piso é muito estimulante. Obrigado pela oportunidade.

 

A efeméride deu mote a um opúsculo, escrito por Nuno Canilho. Uma obra apresentada por João Pega, vice-provedor da Misericórdia da Mealhada, que explicou que o autor “sintetizou diversas passagens da história da Capela”. Os registos não são abundantes, mas Nuno Canilho acredita que “a Capela foi mesmo construída em 1716”, uma vez que há um relato de um peregrino de Santiago de Compostela, datado de 1594, que escreveu que ao passar por aqui apenas havia construído “um pequeno oratório de São Bastião”. “Também sabemos que a Capela sofreu com a catástrofe de 1755, e que  de imediato houve a preocupação de recuperá-la e ampliá- la”, continuou Nuno Canilho, que não esqueceu que foi ali, “no fervor dos anos oitenta”, que “nasceu” a rádio pirata ELBA (Emissora Livre da Bairrada). “Esta Capela tem uma ligação muito forte na comunidade. Mais do que um edifício, este é um espaço de afeto, que ‘observou’ a Mealhada durante trezentos anos. É um sitio que será sempre sobranceiro”, concluiu ainda. Depois de apresentada a obra, (na tarde de 24 de Julho de 2016, na própria Capela de Santa Ana) deu-se a “inauguração” do “Espaço de Memórias da Capela de Santa Ana”

EXCERTO DA REPORTAGEM DO JORNAL DA MEALHADA

 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *