Grandes Autarcas do Concelho da Mealhada #01: JOAQUIM DA CRUZ

OPINIÃO
[2402.]

20604694_327925397659506_5483078864432283959_n

Faz hoje, 5 de agosto de 2017, cento e dois anos que foi inaugurada a Fonte do Garoto, na Pampilhosa, no centro da localidade. A efeméride fez-me lembrar JOAQUIM DA CRUZ (1884-1975), presidente da Comissão Municipal Republicana, e presidente da Câmara Municipal da Mealhada em 1912 e 1913, em 1919. Um grande republicano e uma grande personalidade do Poder Local no concelho da Mealhada.

 

JOAQUIM DA CRUZ

(Breve síntese)

Joaquim da Cruz nasceu na Praia do Ribatejo, no concelho de Vila Nova da Barquinha, distrito de Santarém, no dia 17 de Setembro de 1884. Filho de Thomaz da Cruz, natural de Dornes, do concelho de Ferreira do Zêzere, era proprietário e negociante. A mãe, Rosa Maria, era natural de Paio de Pele, o nome original da Praia do Ribatejo e era doméstica.

Thomaz da Cruz era um dos dois madeireiros da Praia do Ribatejo, a firma Thomaz da Cruz & Filhos, com fábrica de serração a vapor. Abriu sucursais em Caxarias (Ourém), Carriço (Pombal) e Pampilhosa (Mealhada). Joaquim tinham mais três irmãos Francisco (licenciado em Direito e Deputado na I República), e ainda José e António.

Com a entrada em funcionamento, em 1882, da linha de caminho de ferro da Beira Alta, a Pampilhosa começou a transformar-se por completo. A actual parte baixa de Pampilhosa, onde em 1870 não havia qualquer prédio, foi ocupada por algumas fábricas, armazéns e residências em poucos anos. Só cerâmicas chegou a haver quatro. A primeira fábrica de serração de madeiras a ser instalada foi a Thomaz da Cruz & Filhos, junto à via férrea e um pouco a sul da estação, isto no ano de 1905. Ficaram à frente da dita fábrica os irmãos Joaquim e Francisco da Cruz que, desenvolvendo grande actividade, deram grande nomeada à Firma, exportando madeira trabalhada para diversos pontos do País através do caminho de ferro. Foi o caminho de ferro e a consequente instalação de indústrias de barro e de madeira que muito contribuiu para a criação de um pólo industrial e populacional da menos populosa Freguesia do Concelho de Mealhada que, em 1880, somava pouco mais de 650 moradores e, em 1910, já perto de 1500.

A esse surto de desenvolvimento sempre esteve ligado o nome de Joaquim da Cruz, com o seu dinamismo e a sua simpatia, levando-o a ser considerado e respeitado na terra. De facto, Joaquim da Cruz, republicano dos quatro costados, democrata e anti-clerical, muito cedo se embrenhou na politica local, ainda durante o regime monárquico, entusiasmando-se pelo desenvolvimento de uma comunidade que crescia e passou a considerar como sua.

Em 1906, com um grupo de amigos, está na linha da frente da construção do cineteatro da Pampilhosa e na criação do Grémio de Instrução e Recreio, de cuja direcção viria a ser o primeiro presidente, em 1913. Este espaço era a única casa de espetáculos no sul do Distrito de Aveiro.

Com a implantação da República, em 5 de outubro de 1910 e com ela torna-se o Presidente da Comissão Administrativa responsável pelo governo do Municipio da Mealhada na transição entre regimes. Voltaria a ocupar o lugar, por eleição, em 1911, 1917 e 1919.

Em 1912 foi por iniciativa de Joaquim da Cruz que nasce o Sindicato Agrícola, para defesa dos camponeses do Concelho, iniciativa que se revelou efémera. O seu trabalho como autarca confunde-se com o período de grande ação política local que se seguiu à implantação da República.
Fez parte da Comissão para a construção de um fontanário artístico que viria a ser inaugurado em 1916 e ficou a ser conhecido por Fonte do Garoto, escultura em bronze da autoria do Mestre António Teixeira Lopes. Fundou, em 1913, a Tuna Recreativa de Pampilhosa, que vai dar origem à Filarmónica Pampilhosense, ainda hoje existente.
Em 1920 teve a ideia de, conjuntamente com outros industriais da Pampilhosa, criar uma espécie de Caixa Mutual, para a que também contribuíram os operários com um pequeno desconto nos seus salários. Como os operários não concordaram, a ideia gorou-se. Porém embora com alterações, a ideia voltou a ser tratada por alguns industriais, acabando por ser criada a Associação de Socorros Mútuos 7 de Agosto, em 1921. Ainda apoiou Francisco Mourão na iniciativa da criação da Casa da Sopa dos Pobres.
Em 1924 ajudou a criação do Pátria Foot-Ball Club e deu apoio a Adriano Teixeira Lopes e Joaquim Pires na formação de Empresa Cinematográfica Pampilhosense, da qual inicialmente foi sócio. Por essa altura, Joaquim de Cruz defendia tornar-se imperioso construir um Bairro Operário e aprovar um plano geral de urbanização, dado o seu crescimento populacional, industrial e comercial, melhorando os arruamentos e o asseio. Chamou atenção para a falta de critérios nas edificações, necessidade de abertura de novas ruas e construção de uma Passerelle sobre as linhas para acesso à Estação. Também apelou aos proprietários para construírem edifícios com bom gosto, de forma a que, futuramente, a Pampilhosa fosse mais atraente.
Ele mesmo mandou construir um belo e grandioso edifício, junto à fábrica de serração, edifício esse a que deu o nome de sua mãe Vila Rosa. Ainda hoje um belo Chalet, conquanto semi-arruinado, por longo abandono. Á sua custa, mandou plantar várias árvores nas orlas das estradas da Freguesia de Pampilhosa. Em 1923, Joaquim da Cruz e Albano Christina convenceram Joaquim José de Melo a autorizar graciosamente a canalização de água de abundante nascente junto ao pinhal de Gândara, até perto da zona habitacional. Construiu-se então um aqueduto com mais de trinta arcos e essa fonte passou a ser a Fonte do Melo, inaugurada em 1925.
Em, 1926, quando se pensou em fundar uma Corporação de Bombeiros, Joaquim da Cruz logo deu o seu incondicional apoio e, com Adriano Teixeira Lopes, encabeçou a Comissão Organizadora. Na primeira eleição, focou a presidir à Assembleia-geral. Depois, por vários anos, Presidente da Direcção e Primeiro Comandante, tendo colocado à disposição dos Bombeiros, graciosamente, um seu armazém que serviu de Quartel durante quinze anos. Em 1931 vendeu ao B. V. P. o seu automóvel Turcat-Méry pelo preço simbólico de 3.000$00. Passou a ser o Pronto-Socorro nº1.

Provavelmente a maior obra de Joaquim da Cruz para os pampilhosenses foi a Escola Democrática Thomaz da Cruz, custeada por ele e pelo seu irmão Francisco e a quem deram o nome do progenitor. A firma ofereceu o terreno, e custeou as obras de edificação – cuja inauguração aconteceu em 1923 – e futuras ampliações. Foi ali que durante décadas os pampilhosenses tiveram acesso à instrução.

Grande benemérito, industrial activo, dos vultos mais actuantes do Partido da União Republicana no Município, sempre bem-humorado, de espírito e corpo sãos, Joaquim da Cruz era um bom cavaqueador, despretencioso e de sorriso comunicativo. Seus amigos diziam que, quando calado, atraia e a falar, encantava.

A oito de Dezembro de 1923, Joaquim da Cruz casou na Figueira da Foz com D. Maria Rita dos Santos Carvalho, filha de Manuel José de Carvalho e irmã de Joaquim Carvalho, da Figueira da Foz.
No período que se seguiu à II Guerra Mundial, principalmente no início dos anos cinquenta, a crise acentuou-se e as fabricas a pouco e pouco, começaram, a fechar. Vários ferroviários emigraram para Africa, outros vão para França, a população pampilhosense reduz-se, continuando, no entanto, a ser a mais elevada nas Freguesias do Concelho de Mealhada. Joaquim da Cruz que, a pouco e pouco, se vinha afastando da vida activa, social e económica, encerra a fábrica de serração. Acaba por a vender, conjuntamente com a Vila Rosa, à Sociedade de Adubos Ceres.
Joaquim da Cruz faleceu na Pampilhosa no dia 3 de Agosto de 1975, ficando sepultado, na sua terra natal, Praia do Ribatejo.
Admirador de António José de Almeida e Norton de Matos, Joaquim da Cruz era um republicano indefectível. O seu irmão mais velho, Francisco da Cruz, chegou a ser deputado nacional por três vezes.

http://www.nunocanilho.pt/2015/10/2208-discursar/

05SET1962 – JC AO CENTRO 1907 – GRUPO DE AMIGOS 1934 – CMDT DOS BV PAMPILHOSA BVP – SEDE ESCOLA THOMAZ DA CRUZ JC COM DOIS AMIGOS ESPANHOIS JC COM JOVENS JC E ESPOSA JC NA VILLA ROSA Joaquim da Cruz e 4 amigos. ÔÇö com Firmino Brito da Costa, Joaquim da Cruz e Jos+® Miranda. MANIFESTO REPUBLICANO PACKARD DOS BVP

Faz hoje, 5 de agosto de 2017, cento e dois anos que foi inaugurada a Fonte do Garoto, na Pampilhosa, no centro da localidade. A efeméride fez-me lembrar JOAQUIM DA CRUZ (1884-1975), presidente da Comissão Municipal Republicana, e presidente da Câmara Municipal da Mealhada em 1912 e 1913, em 1919. Um grande republicano e uma grande personalidade do Poder Local no concelho da Mealhada.

Ler mais Comentários (0)
Tags:

O futuro a caminhar à nossa porta

INTERVENÇÃO

[2401.]

caminho1

Caminho de Santiago bate novo recorde de peregrinos, com os números de Julho de 2017. 8980 peregrinos fizeram o Caminho Português, 19% do número total de peregrinos (47470). Pela Mealhada terão passado 430 peregrinos só no mês de Julho de 2017

Saídas declaradas: Faro …

Ler mais Comentários (0)
Tags:

Não caminharás sozinho #01

INTERVENÇÃO

[2400.]

blogger-image--110816955 (1) 04JUL15_EPVL (10) (1)

Dez anos separam estas imagens. A mesma cumplicidade. Seria possível encontrar imagens semelhantes nos vinte anos anteriores à foto mais antiga. É assim a amizade que as pessoas nutrem umas pelas …

Ler mais Comentários (0)
Tags:

Ser contra ninguém!

INTERVENÇÃO

[2399.]

20526333_327912377660808_3829550302819588757_n

Estas palavras da Joana Sá Pereira, na sessão de apresentação de sexta-feira, parecem-me sintetizar bem a postura que deve ter alguém que se candidata a uma autarquia local. Perante os dois caminhos que se deparam – combater em nome do desenvolvimento ou combater o …

Ler mais Comentários (0)
Tags:

Meu querido mês de Agosto

INTERVENÇÃO

[2398.]

galo_barcelos

Começa hoje o “meu querido mês de Agosto”. Nas ruas começamos a reencontrar aquelas caras que já não víamos há um ano e nas estradas as matriculas estrangeiras denunciam: Os nossos emigrantes regressaram! E a força que são para Portugal os portugueses da diáspora! …

Ler mais Comentários (0)
Tags:

Ser escuteiro entre eles

DIA VENCIDO

[2397.]

20170731_np_marcelo_01

“Esta é uma homenagem do país e de todos os portugueses ao escutismo católico em Portugal”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, visitou o campo do 23.º Acanac e falou à Flor de Lis no final de uma visita em que esteve em …

Ler mais Comentários (0)
Tags:

Cultura, identidade… e fé

DIA VENCIDO

[2396.]

20526838_1566883486719749_1056993823_n

Há quem defenda que as procissões religiosas são um sinal de atraso… eu acredito que são uma manifestação religiosa, mas, também, um manifestação cultural e de identidade.

Está de parabéns a Santa Casa da Misericórdia da Mealhada pela procissão de Santa Ana, no passado …

Ler mais Comentários (0)
Tags:

Um festival folclore (quase) da minha idade

INTERVENÇÃO

[2395.]

20597211_327503357701710_3133472514831147379_n

Na noite de sábado, 29JUL17, estive no 37.º Festival de Folclore da Vila da Pampilhosa, promovido pelo Grupo Regional da Pampilhosa do Botão. Vi apenas os três últimos grupos, mas pareceu-me muito interessante.

Uma palavra de elogio pela escolha do sítio – Jardim Público …

Ler mais Comentários (0)
Tags:

Boa caça… e juízinho!

DIA VENCIDO

[2394.]

20476110_1561368287214866_1401346441325840424_n

Aos Escuteiros da Mealhada e de Casal Comba que hoje iniciaram a sua participação no maior acampamento de escuteiros de todos os tempos, o 23.º ACANAC, em Idanha-a-Nova, desejo Boa Caça e que se divirtam muito. Juntar-me-ei a vocês daqui a algumas horas!

Ler mais Comentários (0)
Tags:

É dando que se recebe

DIA VENCIDO

[2393.]

20604428_1561946637157031_8062559041506877370_n

«É dando que se recebe», dizia Francisco de Assis. Obrigado Xaru. Obrigado Comandante e amigo Nuno João.

Ler mais Comentários (0)
Tags: